Segundo Francisco Medeiros, presidente executivo da Associação Brasileira da Piscicultura (Peixe BR), a tilápia é um dos peixes mais consumidos pelos norte-americanos e ganha cada vez mais espaço na mesa desse exigente consumidor. Segundo dados da PEIXE BR/APEX, a venda de filé fresco de tilápia brasileira para aquele país cresceu 94% de janeiro a abril desse ano.

Medeiros afirma que “a tilápia caiu no gosto dos norte-americanos”. Visto que somente 5% da tilápia consumida nos EUA são produzidas no país e no ano de 2018 as importações de tilápia pelos Estados Unidos foram de U$736 milhões, encontramo-nos em um cenário promissor, principalmente pelo fato que recentemente a tilápia chinesa passou a ser taxada em 25%. “Com isso, nossa competitividade deu um grande salto e temos condições de suprir parte cada vez mais significativa da demanda desse importante mercado”, explica Medeiros.

Um ponto forte para o produto brasileiro é a sustentabilidade, desde nossa cadeia de produção, até a utilização de boas práticas e segurança alimentar, visto que o interesse por alimentos cada vez mais saudáveis também dá visibilidade ao peixe brasileiro, que é natural, saboroso e de alta qualidade. “Tudo isso influencia as decisões de compra, pois garantem mínimos impactos no ecossistema, além da segurança dos insumos utilizados no cultivo”, detalha o presidente da Peixe BR.

A tilápia representa 57% da produção de peixes de cultivo no Brasil, que em 2019 foi de 758.006 toneladas. O presidente da Peixe BR pontua que “somos o 4º maior produtor da espécie no mundo, com condição de produção de peixes acima da demanda do mercado interno. Agora é o momento de mostrar a tecnologia e biosseguridade envolvida em toda a cadeia, oferecendo uma proteína de alto valor nutricional e sustentável para os mercados mais exigentes do mundo”.